23/02/2018

5 COISAS | que aprendi no secundário


Tal como referi numa publicação que fiz sobre o meu 12º, sinto que ao longo deste três anos aprendi muito e por isso cresci também. Portanto hoje decidi partilhar algumas das lições que me foram dadas (mais relacionadas com a escola, exames, etc) e que às vezes - mas só às vezes - gostaria de ter sabido logo no 10º ano.



São três anos em que terás a oportunidade de crescer imenso como pessoa e de viver experiências absolutamente incríveis. Por isso é ainda mais importante ser-se fiel a nós mesmos, àquilo em que acreditamos, valorizamos ou não.
Creio que assim ser-te-á possível encontrar pessoas com que te identificas e eventualmente o teu grupo de amigos.
Não tenhas medo de dizer que não por pensares que não te irão aceitar como és. E se for o caso, afasta-te porque não são pessoas que no futuro quererás na tua vida.
*( esta é uma lição que pretendo aplicar também nesta nova fase e, honestamente, durante a minha vida)




Já sei, já sei, a faculdade é muito mais exigente e pede mais do nosso tempo, etc, etc, mas como alguém que durante o secundário esteve rodeada de pessoas que se preocupavam minimamente com os testes/trabalhos, médias de entrada para a faculdade e que teve professores que desafiavam a nossa gestão de tempo, rapidamente percebi que é fácil cair para um dos lados da balança: deixarmo-nos aliciar pela diversão que as saídas com os amigos nos proporcionam e descurarmos o estudo ou ficarmos demasiado obcecados com o mesmo e quase não vermos a luz do dia sem ser para ir à escola.
Sim, é importante esforçarmo-nos e sabe imensamente bem atingir objetivos mas lembrem-se de que a saúde mental está acima de tudo isso, ainda que possa parecer secundária.




Não sei se isto é um problema apenas existente na escola onde andei mas não havia uma única pessoa que nos conseguisse esclarecer todas as dúvidas que tínhamos sobre os exames nacionais e o que estes implicavam no momento de candidatura à faculdade - havia inclusive o caso de professores diferentes a dizer coisas diferentes .
Por exemplo, durante muito tempo disseram-nos que se fôssemos a qualquer segunda fase de exames no 12º estávamos automaticamente exclúidos da primeira fase de candidaturas, o que é mentira. O que acontece é que posso utilizar o exame que fiz na primeira fase (caso seja de 12º - que foi o meu caso) em todas as fases de candidaturas mas o que realizei em segunda fase só é possível utilizar a partir da segunda fase de candidaturas (se não perceberam o que quis dizer e têm dúvidas feel free para me mandar um e-mail que posso explicar melhor). Logo, aproveitem todas as chances que têm para repetir exames uma vez que não têm nada a perder, pelo contrário.
Aconselho-vos também vivamente dois sites: Uniarea (e respetivo fórum) e Inspiring Future. Eu e os meus amigos tornámo-nos quase em experts no que toca a todas as implicações possíveis de exames na candidatura à faculdade graças a estas duas plataformas!




Infelizmente - por me ter deixado desamparada na altura - e felizmente - porque mais vale tarde do que nunca - só aprendi a sério isto na época de exames do 12º ano. Deixei os nervos levarem a melhor durante aquela que seria a minha única prova de ingresso.
Vi o plano que desenhei, que era tecnicamente perfeito e possível, ser destruído em três horas e doeu, doeu mesmo. Como é óbvio, sempre esperei imprevistos - e encontrei alguns pelo caminho -, mas este era o que não podia acontecer. Preparei-me o melhor possível para o evitar e ainda assim ele encontrou-me a mim.
O meu conselho para estas situações é: tenham o vosso momento - que considero também de extrema importância -, respirem fundo e comecem a pensar ou numa outra solução para chegar ao mesmo fim ou numa alternativa ao que tinham inicialmente pensado. Mas não desistam logo, lutem!




Mais uma vez gostaria de dar ênfase ao "informem-se" uma vez que considero ser o melhor método de modo a existirem menos chances de mais tarde descobrirem que afinal não é aquilo que querem - pode acontecer na mesma, óbvio - e de terem mais a certeza que "É mesmo isto!"
Comecem por ler testemunhos de pessoas que andam em determinados cursos e que vos dão uma ideia do que vão encontrar. Leiam de vários cursos se ainda não tiverem uma ideia concreta do que querem e vários do mesmo curso caso já tenham.
Dêem uma olhadela nos planos de estudos dos cursos que mais vos interessam em várias faculdades (uma vez que costumam variar embora o curso seja o mesmo) de modo a perceberem se a ideia que associavam ao nome do curso corresponde à realidade ou se aquelas cadeiras não vos dizem nada.
Usem e abusem também das oportunidades que a maioria das faculdades disponibiliza para que os pré-universitários possam conhecer melhor o curso e a instituição.
Seguindo estes passos, penso que quando tomarem a vossa decisão no momento da candidatura estarão conscientes de vários parâmetros essenciais, o que vos permite escolher o curso e faculdade que mais tem a ver convosco.



Independentemente da vossa escolha no final do 12º, que não tem de passar por ir para a faculdade se não é o que querem - falo desta opção porque se trata da minha experiência -, sejam persistentes, não se contentem com menos se é realmente o que querem, lutem para tornar os vossos sonhos realidade e sejam, sobretudo, muito felizes!

Caso tenham alguma dúvida não hesitem em deixar nos comentários ou de me mandar um e-mail (aloststar2809@gmail.com). Responderei com todo o gosto!


Ainda estão no secundário, já estão na faculdade ou a trabalhar? Contem-me tudo!

19/02/2018

SÉRIES | La Casa De Papel


Após muito ouvir falar desta obra prima representada em espanhol, rendi-me e fui espreitar o primeiro episódio no domingo à noite. Hoje é segunda e já vou no 7, o que, por si só, acho que diz muito. Sou o tipo de pessoa que diz "séries e filmes só em inglês e português salvas raríssimas exceções", facto que me levou a ficar imenso tempo sem começar La Casa de Papel, contudo - e nunca pensei dizer isto - até estou a começar a ficar com uma ligeira vontade de aprender a língua do nosso país vizinho.

Para quem nunca ouviu falar desta produção da Netflix - com 15 episódios e já a caminho de uma segunda temporada -, La Casa de Papel remete para um assalto brilhante e aparentemente infalível à casa da moeda espanhola. Os assaltantes não se conheciam previamente e é-lhes indicado que não usem os seus nomes, não sejam feitas perguntas sobre a vida pessoal e que não haja relações entre participantes. Tudo medidas que tornam o plano praticamente infalível teoricamente (não estivéssemos nós perante humanos).
Foram juntados pelo Professor - como lhe chamam - e durante 5 meses irão estudar e ensaiar o assalto ao mais ínfimo pormenor, com planos B e C e antecipando as manobras da polícia espanhola. Durante o desenrolar da trama é possível ver a psicologia a funcionar com a força policial a agir como tinham pensado, contudo, como seres humanos e por vezes não muito racionais que são, por mais cenários que antecipassem, nunca tudo poderia correr como queriam. Terão de lidar com as adversidades que vão aparecendo e com a pressão a que estão inevitavelmente submetidos.

Gosto de séries que demonstram a beleza do pensamento o humano, a genialidade - que pode tanto ser usada para o bem como para o mal -, que sejam quase épicas, e La Casa De Papel dá-nos isso e muito mais.
Agora parte de mim só quer que a segunda temporada chegue o mais depressa possível ao mesmo tempo que o meu eu racional me diz "Inês, começaste o segundo semestre na quinta, não te metas por caminhos apertados". Não é preciso dizer qual o lado que ganha pois não?

Já conheciam a série? Vêem?

15/02/2018

PERSONAL | Estarei eu reduzida a um número?


Gosto de encontrar textos de que não me lembro nitidamente de ter escrito porque é como fosse transportada no tempo e conseguisse ver a Inês do passado a escrevê-los. Contudo, quando encontrei este fiquei triste porque me lembro de passar por esta fase, mas só quando o li é que me apercebi do impacto negativo que na altura teve em mim. É um desabafo de uma adolescente de 16 anos cansada e ligeiramente revoltada com as regras que a sociedade impõem.
2016 e 2017 foram anos muito preenchidos e positivos em inúmeros aspectos, contudo foram também dos anos em que a minha ansiedade (sim, ansiedade, não nervosismo) esteve num dos seus picos. Pela primeira vez estava a deixar a escola afectar de forma preocupante a minha saúde mental, os primeiros exames do secundário aproximavam-se - e depois a candidatura a faculdade em 2017 -, estavam constantemente a assombrar-me o pensamento e via todos os testes como provas de fogo em que tinha de passar com distinção, custasse o que custasse. Eu - e mais ninguém - era demasiado exigente comigo.

"Está a chover e a vontade de ficar dentro da cama, no quentinho, até horas indecentes é grande, muito grande, chegando mesmo a ultrapassar a infinita lista de coisas que tenho de fazer. Quando, por fim, decido levantar-me, tomar o pequeno-almoço e ligar o computador para começar a riscar itens da minha lista dou por mim a questionar o efeito da escola na minha vida; o porquê de estar a aprender o que estou a aprender; se será que vale tudo a pena. Até que ponto é que as notas que se tiram num teste definem inteligência ou até mesmo capacidade de executar um determinado trabalho, que é para isso que a escola está a preparar-nos?

Quando era mais nova adorava a escola, sentia que perceber aquilo que me ensinavam era mais importante do que tirar uma boa nota. No entanto, principalmente com a entrada no secundário, senti uma grande mudança na maneira como se abordava a escola. Os números é que interessam, afinal são eles e apenas eles que nos vão colocar na nossa faculdade de sonho ou fazer-nos sentir como falhados por não ter conseguido. O perceber a matéria passa para segundo plano, passando o "ter boas notas para atingir uma média" a primeiro plano. Parece que o entender o que é ensinado ou até mesmo a maneira como se consegue essa média não interessa, o importante é tê-la.
Este processo deixa-me não só ansiosa durante os testes por causa do "preciso de x valores neste teste" como também faz com que me sinta reduzida a um número. Como é que a minha vida, o meu futuro pode estar reduzido a um número?"
Fevereiro.2016


Lembro-me vagamente de quando comecei a sentir-me assim, reduzida a um número, e quando comecei a perder o encanto que tinha pela escola. Foi triste, muito triste, principalmente por ser uma pessoa muito curiosa que tem um gosto enorme e intrínseco por aprender coisas novas.
Agora na faculdade, felizmente, deixei de me sentir assim. Não vou mentir, as notas continuam a afectar-me, principalmente se foi um teste ou trabalho para o qual trabalhei muito e dei muito de mim, mas tem menos efeito. Gosto mais das aulas, não me importo - gosto! - de saber mais além e deixa-me extremamente feliz perceber que estou lentamente a recuperar essa parte de mim, que já não me sinto tão reduzida a um número e não sinto a necessidade de decorar o que está num livro para depois regurgitar numa folha de papel. Voltei a gostar da escola e de aprender por si só.